O apoio das pessoas que amamos

Descobrir que se tem uma doença crônica que pode causar conseqüências muito ruins, é a maior bad.

Na primeira semana, tive uma crise de choro. Uma mistura de raiva e tristeza.

Achava que não poderia mais comer um monte de coisas que adoro, achava que teria que tomar todo o cuidado do mundo para não ter uma complicação, que seria refém de seringas e medições de glicemia.

Só parei de chorar quando minha mãe, minha irmã e meu namorado repetiram diversas vezes que me amavam e que estariam sempre comigo.

Me senti amada, apoiada e sabia que quando precisasse teria a quem recorrer.

Gente, sem apoio não vamos muito longe, é preciso ter gente pra nos dizer que está ali e só. Não precisa de mais nada.

Minha mãe e o meu namorado são os mais ativos nesse começo de tratamento.

Ele me liga vários vezes ao dia para saber se eu comi e o valor da glicemia. Vibra quando está tudo certo, me parabeniza.

Minha mãe se diverte descobrindo coisas novas. É ela quem vai no mercado, então fica comprando coisinhas gostosa, experimenta comigo, faz as substituições e me anima pra comer tudinho.

Nesse momento, não sei se eu seria tão forte sem eles.

Espero que todos tenham pessoas assim em suas vidas.

Até

Unknown

Tenho mania de escrever e de ver sempre o lado bom das coisas. Com diabetes desde 2010, acredito que uma vida controlada e divertida é possível sim. Jornalista, creio que posso ajudar os outros a acreditar também. Que saber mais sobre mim? Clica aqui!

Um comentário:

  1. Luana, é essencial a ajuda e preoucupação das pessoas próximas...Elas não são diabéticas, mas sabem de tudo o que precisamos... nos socorrem nas horas apertadas e comemoram qdo os exames mostram que tá tudo bem!!! Sempre agradeça a ajuda dessas pessoas...não vivemos sem elas...rsrsrs...
    Bj grande e feliz ano novo!!!

    ResponderExcluir