[ 1 2 3 Testando] Por que o Libre não é o fim das picadas nos dedos


Ah, o tal sonhado fim total das picadas nos dedos. Sim, todos sabemos que furar os dedos, duas, três, quatro ou até dez vezes por dia não é das tarefas mais fáceis e muito menos das mais agradáveis. Por isso, quando anunciaram a chegada do Libre na Europa e o "fim da rotina de furar os dedos", como anunciava a Abbott, todo mundo ou pelo a maioria deu saltos de alegria.


Quando eu recebi a amostra para testar me agarrei a essa ideia, mas logo ao ler o manual vi que a coisa não era bem assim. Ou será que fomos nós que levamos ao pé da letra demais?

Logo na página 4 do manual, a Abbott avisa, há três situações em que é imprescindível medir por meio da punção:

a) em suspeita de hipo: é preciso furar o dedo para confirmar o resultado e tomar a decisão de corrigir ou não
b) quando há períodos de rápida alteração glicêmica: o sobe e desce muito rápido pode afetar a medição dando um resultado diferente do real
c) quando o que você está sentindo não conduz com o que está aparecendo no visor: sabe quando aparece hipo, mas você não está sentindo nada ou quando aparece 150, mas você está sentido que está com hipo. Isso! 


Além disso, nas primeiras oito horas pode dar uma baita diferença entre a glicemia no seu glicosímetro de costume e o que aparece no sensor do Libre, isso porque ele precisa de um tempinho para se ajustar a você.

Se eu percebi tudo isso no meu teste, sim! O primeiro dia foi bagunçado, com glicemias bem diferentes entre o meu Active e o Libre, o que me deixou um pouco insegura.

Mas depois de umas doze horas as coisas começaram realmente a bater. A primeira semana mantive a medição nos dois sistemas e realmente algumas hipos no Libre pareciam mais severas e nos dias de sobe e desce ele não era tão certeiro.

Aí você me pergunta: mas e aí? Ficou sem medir? E eu te respondo: SIM!

Depois de uns quatro dias, passei a medir bem menos. Uma ou duas vezes no Active apenas. Teve dias que não medi nenhuma vez, usei apenas o Libre. E não tive problemas. Você vai acostumando com a facilidade. Entre furar o dedo e medir com o Libre, você passa o Libre, conta os carboidratos, aplica e continua o seu dia.

É o fim total das picadas? NÃO. Por mais que você ganhe confiança é inevitável fazer umas conferências, principalmente nas situações informadas pelo fabricante. Inclusive por isso o sensor tem entrada para fitas medidores, ou seja, além de scannear ele faz a medição com gotinha de sangue. As tiras são as mesmas do Freestyle Optium. E até sugerimos para a Abbott que venha um potinho com 10 ou 25 tirinhas junto com a compra do sensor. Assim a pessoa tem tudo em um aparelho só e não precisa ficar andando com os dois como eu andei.

Minha avaliação geral é que facilita muito, eu diminui as picadas em uns 70%. Não é 100%, mas para quem fura faz uma baita diferença fura duas ou furar oito vezes. Então sim, na minha opinião é o fim da ROTINA de furada dos dedos, porque não foi rotineiro como é.

No próximo post vou falar sobre a acurácia do aparelho. Os números batem mesmo? E sobre outras funcionalidades do sensor.

Até lá!

Unknown

Tenho mania de escrever e de ver sempre o lado bom das coisas. Com diabetes desde 2010, acredito que uma vida controlada e divertida é possível sim. Jornalista, creio que posso ajudar os outros a acreditar também. Que saber mais sobre mim? Clica aqui!

9 comentários:

  1. Gostei de seu comentário e suas avaliações. É importante desmistificar esta situação de ficar livre totalmente dos testes... Vou sugerir a vc entrevistar um especialista em DM para que ele explique para os portadores, porque o testes da ponta dos dedos são os melhores, no sentido do real valor da glicemia no organismo. Existe um porque e geralmente a maioria de nós, não sabe. E compreender o porque das coisas é essencial. Assim, junto com o próximo post que será sobre acurácia do aparelho, tb muito interessante vc explicar, além das vantagens deste sistema - e que são vantagens mesmo- explicar o porque de não deixarmos de fazer testes de ponta de dedo. EDUCAÇÃO É O MELHOR REMÉDIO! Carinho Sempre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Jacque! Sim, o teste capilar continua tendo muita importância independente da tecnologia. Adoraria conhecer o especialista e aprender um pouco mais.

      Excluir
  2. Olá! Adorei seu post!! O libre já está à venda no Brasil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Jackeline, que bom que gostou do post. Fico super feliz. As vendas aqui no Brasil começaram essa semana. A Abbott lançou um site (www.freestylelibre.com.br) onde os interessados se inscrevem. Conforme disponibilidade em estoque e seguindo a ordem de inscrição as pessoas são contatadas por e-mail pela Drogaria Onofre e podem fazer a compra online. Grande abraço.

      Excluir
  3. Ei Luana, tudo bem? Muito bem explicado seus posts e vídeos, parabéns!! Tem uma info que não achei em nenhum lugar.
    O kit inicial completo com desconto custa R$599,70 e vem com 1 leitor e 2 sensores. Minha pergunta é: Cada sensor fica na pele por 14 dias, certo? Queria comparar o custo do Freestyle Libre com o custo das fitas e para isso preciso saber quantas glicemias consigo medir com cada sensor.
    Sabe me dizer?
    Abs e obrigada!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Simone! Que bom que gostou do post, fico super feliz em saber. Cada sensor dura sim 14 dias e você pode medir quantas vezes quiser. É só passar o scanner e pronto! Espero ter ajudado!

      Excluir
    2. Entendi. Bem, então no que diz respeito ao comparativo financeiro não vale a pena de jeito nenhum né? Pq nesses 28 dias (2 sensores) eu gastaria uma média de 140 lancetas que custaria R$ 270,00.
      Entendo que o processo do Freestyle Libre é muito interessante mas nos dias de hoje não dá pra apostar na tecnologia se o custo final fica tão diferente...

      Excluir
    3. Concordo com você, Simone. É preciso levar em consideração o valor final. No meu caso, eu pego as tiras gratuitamente no posto, então não trocaria uma opção gratuita por uma paga com valor médio de R$ 500/mês. Mas para situações atípicas, como a trilha de cinco dias que fiz no Peru, eu compraria para ter um controle melhor para essa situação, por exemplo. Resumido, tem que ser pensado e calculado, até porque você não vai ficar só com o Libre, precisará de tirinhas para fazer algumas medições capilares como mencionado no post. ;)

      Excluir
  4. OLA ,SINTO DESANIMAR VCS COM O MEU REALTOMAS VAMOS LÁ. COMPREI O MEU SENSOR PARA MINHA FILHA QUE SAIU A A 740,00 COM O FRETE NO COMEÇO DE ABRIL E DE LA PRA CA SÓ TORMENTOS.PRIMEIRO VEM 2 SENSORES SOMENTE 1 FUNCIONOU JA FOI TROCADO 4 SENSORES E TODOS ELE COM DEFEITO E DIFERENÇA MUITO GRANDE TIPO O APARELHO DELES MARCAVAM 65 E ELA COM 200, DAI POR DIANTE QDO FOI ONTEM REALMENTE ME ESTRESSEI MUITO E PEDI ENTAO Q ME REEMBOSASSEM O LEITOR MESMO PQ NAO VOU BTER O QUE FAZER COM ELE SENDO Q OS SENSORES NAO FUNCIONAM E A VIDA DE MINHA FILHA SÓ MÃO TEVE RISCOS MAIORES PQ ACOMPANHAVA NO DEDO. E AS RESPOSTAS SEMPRE Q ESTAVAM NA MARGEM ETC,EM FIM PREJUIZO DE 500 REAIS QUASE MINHA FILHA TEM PROBLEMAS SERIOS QUE PARA ELES SÃO IRRELEVANTES PQ NOS TESTES Q DIZEM FAZER E NAO TE MANDAM TA NORMAL. MINHA EXPERIENCIA? NÃO SAO UMA EMPRESA IDONEA,NÃO ESTÃO PREOCUPADOS COM A SAUDE DO PACIENTE E NEM NOSSO BOLSO,AGORA ESSE ULTIMO SENSOR IRÃO ME REEMBOLSAR POIS A EMPRESA NÃO TEM MAIS SENSORES NO MOMENTO PARA TROCA. MUITO CHATEADA ,MUITO TRISTE E GASTEI POR UMA COISA SEM TER CONDIÇOES,COMO PARCELEI NO CARTAO VOU CONTINUAR PAGANDO ALGO Q NÃO UTILIZAREI.

    ResponderExcluir