Vacinação contra a gripe em diabéticos pode diminuir complicações da doença

O Ministério da Saúde estabeleceu, em 2011, a inclusão de portadores de doenças crônicas entre os grupos prioritários para vacinação contra gripe no Programa Nacional de Imunizações (PNI). Os diabéticos foram incluídos por apresentarem maior risco de complicações em virtude da doença de base. Em 2017, de todos os óbitos relacionados à gripe de pessoas com fatores considerados de risco, 29,7% ocorreram em  portadores de diabetes.

“Diabéticos apresentam maior riscos para quase todas as infecções e sempre têm um prognóstico pior quando adquirem uma doença, em relação a pessoas que não têm diabetes”, explica Dr. Fadlo Fraige Filho, presidente da Anad – Associação Nacional de Atenção ao Diabetes. “Isso acontece porque a sua imunidade é inversamente relacionada ao descontrole da doença: quanto mais descompensado estiver o diabetes, menos proteção contra doenças o paciente terá”, complementa.

As altas taxas de açúcar no sangue (hiperglicemia) que ocorrem nos pacientes com diabetes levam a uma deficiência da imunidade que facilita a ocorrência de infecções secundárias. Elas dificultam o controle das taxas de açúcar no sangue (glicemia), instalando-se um ciclo que leva ao agravamento do quadro.

Segundo o médico, o tempo de recuperação da gripe de uma pessoa com diabetes é maior, os sintomas são mais evidentes e há mais chances de evolução para pneumonia ou até um caso grave de insuficiência respiratória.

“A vacinação contra a gripe é fundamental para diminuir as chances da doença se complicar. Para diabéticos, a imunização é totalmente segura. É importante tomar a vacina agora para que no inverno as pessoas já estejam imunizadas”, acrescenta o médico.

Estudos demonstram que, caso indivíduos vacinados contraiam a enfermidade, os sintomas serão mais leves, além de apresentarem menor risco de hospitalização, especialmente no caso de portadores de doenças crônicas, idosos e, crianças, entre os quais ocorrem quadros mais graves e maiores índices de mortalidade.

A Vacina

A Sanofi Pasteur disponibiliza no Brasil duas vacinas para a imunização contra influenza. A trivalente contém duas cepas A e uma B e pode ser aplicada a partir dos seis meses de idade. A vacina quadrivalente proporciona maior proteção contra a influenza e suas complicações, pois contêm uma cepa B adicional, (duas A e duas B) e é a única vacina quadrivalente licenciada para crianças a partir dos seis meses. Duas cepas B têm cocirculado com as cepas A(H1N1) e A(H3N2) há mais de uma década, em diversos países, incluindo o Brasil. Ambas as vacinas, trivalente e quadrivalente,  são recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Unknown

Tenho mania de escrever e de ver sempre o lado bom das coisas. Com diabetes desde 2010, acredito que uma vida controlada e divertida é possível sim. Jornalista, creio que posso ajudar os outros a acreditar também. Que saber mais sobre mim? Clica aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário